Marsha P. Johnson, Laverne Cox analisando representatividade trans no audiovisual e Laerte são temas de alguns dos documentários no catálogo da Netflix
Montagem
Marsha P. Johnson, Laverne Cox analisando representatividade trans no audiovisual e Laerte são temas de alguns dos documentários no catálogo da Netflix


Cada vez mais, as pessoas têm se mobilizado para compreender as lutas e conquistas históricas da comunidade LGBTQIAP+ . Os  arquivos históricos e materiais de estudiosos são ótimas fontes para isso, mas para quem não consegue se dedicar com tanto afinco e quer aprender, os documentários podem ser ótimas fontes de informação. Por isso, separamos 7 filmes, realities e documentários para aprender e se inspirar.



1- Revelação


"Seus sentimentos e pensamentos são válidos". O documentário reúne diversas celebridades, ativistas e pesquisadores trans para analisar a abordagem do cinema norte-americano em relação às pessoas trans, desde os primeiros programas e filmes que apresentaram a comunidade para o público até os estereótipos e o ato de colocar pessoas cisgênero para atuar como transgênero, conhecido como transfake.

O filme apresenta muitas pessoas transgêneros famosas na indústria cinematográfica, como Laverne Cox, Susan Stryker, Alexandra Billings, Jamie Clayton, Chaz Bono, Alexandra Gray, entre outros, e leva o público a entender as representações prejudiciais e as más ideias sobre pessoas transgênero no cinema.

2- Secreto e Proibido

Terry Donahue, uma jogadora profissional de beisebol, e Pat Henschel viveram um romance desde de 1947, uma época em que lésbicas e o restante da comunidade sofreram forte repressão social. Apaixonadas, as duas viveram 65 anos em um relacionamento secreto e contam a história desse relacionamento neste documentário.

O documentário produzido por Ryan Murphy (Pose, Glee e The Politician) e Jason Blum (Corra!, Nós) e dirigido por Chris Bolan mostra que a vida deste casal era mentir sempre dizendo que era primas ou amigas para esconder a realidade de uma sociedade preconceituosa.

Você viu?

3- Laerte-se

Laerte Coutinho passou 60 anos se identificando como um homem
Reprodução/Youtube
Laerte Coutinho passou 60 anos se identificando como um homem


O documentário segue a vida da cartunista  Laerte Coutinho tempos após a sua transição de gênero e acompanha as transformações em sua vida pessoal, familiar, profissional e em seu trabalho. Antes, ela havia passado mais de seis décadas se identificando como um homem.

A produção Laerte-se analisa a construção da identidade de gênero e o significado de masculino e feminino, enquanto explora os problemas que a cartunista enfrenta ao se apresentar como mulher e os seus talentos artísticos.

4- A Morte e Vida de Marsha P. Johnson


Marsha P. Johnson foi uma travesti negra que se tornou símbolo da libertação LGBTQIAP+ nos Estados Unidos. Viveu em Nova York em 1960 e esteve presente foi uma das protagonistas da Rebelião de Stonewall, em 1969. ‘A Morte e Vida de Marsha P. Johnson’ não só narra a influência de Johnson no movimento e o mistério de sua morte até os dias de hoje, mas aborda as casas de acolhimento dos anos 1960, histórias de outras figuras influentes, como Sylvia Rivera e Stormé DeLarverie, e detalhes da investigação nos dias atuais.

Com direção de David France, o documentário apresenta diversas versões sobre o caso e aborda os anos de luta da ativista que foi morta no Rio Hudson em 1992. 

5- Carta Para Além dos Muros

Por trinta anos, o Brasil acompanhou a evolução do vírus HIV e da Aids, que impactam com mais facilidade homens gays  e pessoas trans. Neste documentário, médicos, pacientes e ativistas falam sobre a trajetória do vírus no país e dos estigmas e preconceitos que acompanham as pessoas soropositivas.

O diretor André Canto propõe uma reflexão sobre a evolução dos tratamentos e os desafios e estigmas ainda enfrentados por portadores do vírus e mostra como a sociedade encarou essa epidemia em sua fase mortífera ao longo de mais de duas décadas.

6- Nasce Uma Rainha

As drag queens Alexia Twister e Gloria Groove ajudam pessoas a se tornarem drags em 'Nasce Uma Rainha'
Divulgação/Netflix
As drag queens Alexia Twister e Gloria Groove ajudam pessoas a se tornarem drags em 'Nasce Uma Rainha'


As drag queens brasileiras  Gloria Groove e Alexia Twister ganharam um reality drag para chamar de seu. Ao longo dos episódios da primeira temporada, elas ajudam drag queens e drag kings a se encontrarem, desde o nome até a escolha das roupas, maquiagens e perucas. o conhecer as histórias dessas pessoas drags anônimas, Groove e Twister auxiliam na jornada de autoconhecimento e autoestima.

No reality show, um dos momentos que traz lágrimas aos olhos é quando Gloria se dispõe a conversar com um familiar ou amigo dessas pessoas queer para entender o porquê são contra ao desejo delas de se tornarem uma artista de palco.

7- Minhas Famílias

O cineasta chinês radicado nos Estados Unidos Hao Wu decidiu documentar o processo de  aceitação de seus familiares que moram na China em relação à sua sexualidade. Wu é casado com um homem e os dois têm filhos. É uma boa opção para quem curte histórias rápidas, já que o documentário tem apenas 40 minutos.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários