Para o casal, a paternidade precisa ser construída como quaisquer outros relacionamentos
Reprodução/Instagram
Para o casal, a paternidade precisa ser construída como quaisquer outros relacionamentos


Sucesso nas redes sociais, o casal  Luke Vidal e Rafael César , influenciadores do canal “Mundo de Nós Três” , no YouTube – com quase 230 mil inscritos –, celebraram 13 anos juntos este ano com um pedido de casamento feito nos bastidores da gravação do primeiro clipe da carreira musical de Luke. O casal pretende se casar muito em breve, em Itajaí, Santa Catarina – cidade natal de ambos. Luke tem mais de 600 mil seguidores no TikTok  e  Rafael mais de 2 milhões.

O casal produz vídeos divertidos e bem humorados para as redes sociais, mostrando principalmente fragmentos do cotidiano com o filho Kauan, de oito anos. Eles conversaram com exclusividade com o iG Queer sobre o processo de adoção, a ascensão nas redes sociais e, principalmente, as barreiras enfrentadas durante a paternidade. De acordo com o casal, tudo começou ainda no YouTube. 

“A gente criou um canal no YouTube em 2017, com coisas que eram populares na época, como playlists e reacts, por exemplo. Posteriormente, começamos a mostrar mais da rotina, mas em 2019 desanimamos um pouco e resolvemos focar no trabalho”, contam. A chegada do filho representou uma chave sendo virada na vida de Luke e Rafael. “Em 2020 veio a adoção do Kauan e fizemos um vídeo para o YouTube apenas a fim de registrar esse acontecimento, mas com muito receio. O canal se chamava ‘Mundo de Nós Dois’, então mudamos para ‘Mundo de Nós Três’”. 

Ter exposto o fato de que estavam adentrando o mundo da  paternidade despertou a atenção do público, então eles começaram a investir em mostrar o lado mais simplório e rotineiro da vida. “As pessoas amaram o vídeo e isso nos incentivou a mostrar mais do dia a dia, além de termos começado a trabalhar com o Instagram. O público é muito curioso, então queriam saber de tudo que envolvia nossa família, nossa rotina e o Kauan. Chegamos a fazer um vídeo de 20 fatos sobre ele até mesmo para inseri-lo nesse universo”, explicam. 

Conforme os conteúdos cresceram e os perfis começaram a receber mais e mais seguidores, Rafael conta que notou como a naturalização da rotina de uma família LGBT influencia as pessoas positivamente. “Vieram muitas mensagens positivas. Pessoas dizendo que também tinham o sonho de ter um filho, que nos vendo com o Cauã sentiram esperança de conseguir formar a própria família etc. Acho que é muito importante o que estamos fazendo: mais do que mostrar nossa família, é uma questão de representatividade”, aponta. 

“As pessoas se inspiram em nós e dizem: ‘Poxa, eu também vou adotar e construir uma família’. Para nós, essa representatividade é a coisa mais importante atualmente”, continua o influenciador. Ao serem questionados sobre como foi adaptar-se à paternidade e fazer dela uma realidade em suas vidas, Luke é categórico ao afirmar: “Ninguém está preparado para ser pai, seja por meio da adoção ou não”. 

“O que nós sempre recomendamos é preparação psicológica, pois é o que mais pesa durante o processo de adotar uma criança”, continua ele. “Você precisa estar estruturado emocionalmente porque não é apenas sobre o que você sente, mas principalmente se vai conseguir suprir as necessidades emocionais naquela criança que vai entrar na família”. 

Rafael complementa ao ressaltar que a criança já possui um histórico com o qual os pais precisarão lidar. “A questão é que essa criança vem com traumas, rejeições e questões pesadíssimas. O dinheiro não é o mais importante. Ele é necessário? Óbvio que sim, afinal você precisa dar um sustento para essa criança, um lar, comida, mas quanto a isso se dá um jeito. A parte mais difícil é estar preparado para entender o que a criança vai te perguntar e te dizer durante esse processo. Vale lembrar também que cada caso é um caso; em todo processo de adoção você é preparado, faz um curso, passa por psicólogos e uma assistente social vem à sua casa várias vezes”, explica. 

Eles acrescentam ainda o quanto as pessoas precisam ter a mente e o coração bem abertos quando tomam a decisão de adotar uma criança, pois é um processo complexo, denso e que exige um enorme senso de responsabilidade – o que explica, em partes, o porquê do processo de adoção levar tanto tempo. “Precisamos estar muito aptos a entender esse universo [da paternidade]. O processo de adoção em si é demorado, mas hoje entendemos que essa demora é necessária justamente para a preparação dos adotantes”. 

“Você não pode brincar com uma vida, não é como comprar um produto, não gostar e devolver”, ressaltam ainda. “E também não é um ato de caridade; muitas pessoas levam a situação como: ‘Ah, olhem o bem que eu fiz para essa criança, ela tem que ser grata a mim pelo resto da vida’”. 

Eles pontuam veementemente ao iG Queer que a adoção já começa quando existe a vontade de exercer a paternidade ou a maternidade. “Ela [a adoção] vem a partir desse objetivo [ser pai], e não exatamente porque tem uma criança no orfanato”. Luke comenta, por exemplo, que essa é uma trajetória de mão dupla, motivo pelo qual os pais e mães precisam estar abertos à experiência como um todo, sem pré-julgamentos. 

“Quando se adota, é um processo mútuo: somos gratos pela vida dessa criança porque realizamos o sonho de ser pais. As pessoas às vezes dizem: ‘O Kauan tem muita sorte de ter vocês’. Mas é o oposto: nós quem temos sorte por tê-lo conosco, porque ele nos ensina muitas coisas todos os dias, o que só reforça o fato de que nunca se está preparado para ser pai”, declara.

Romantização da paternidade e a influência das redes socias

Aniversário de 8 anos de Kauan
Reprodução/Instagram
Aniversário de 8 anos de Kauan

Rafael chama a atenção para o fato de que ser pai, diferente do que é normalmente vendido, não é um mar de rosas, tampouco um processo ao qual se ajusta do dia para a noite. “A gente vai errar muito, mas também vamos acertar. É desesperador e difícil, sim. Não é essa magnitude maravilhosa que as pessoas promovem. É um relacionamento como qualquer outro: precisa ser construído”, esclarece. 

“Assusta no início pensar: ‘Poxa, eu não sei se vou conseguir amar essa criança’. Nós dois estávamos juntos há 11 anos e do nada a nossa bolha estourou e uma criança de cinco anos veio para a nossa casa. Por mais que achássemos estar preparados, vimos que era totalmente o oposto. Foi assustador, choramos, entramos em desespero”, relembra ele. “Nossas irmãs e amigas que já tiveram filhos disseram para nós que era assim mesmo. ‘Eu gerei por nove meses e quando nasceu também me desesperei e chorei. É normal, vai passar’”. 

Luke comenta que um dos principais fatores que os acometeu durante esse processo foi a autocriticidade, afinal uma vez que se tem uma vida sob as asas, é difícil não pensar como as próprias atitudes irão respingar na criança e influenciá-la de modo geral. 

“A gente pensa: ‘Meu Deus, como é que eu vou agir com essa criança? Como vou educá-la? Será que vou ser um bom pai se falar desse jeito ou se fizer isso ou aquilo?’. Você se questiona o tempo todo para saber se está conduzindo da maneira correta para a formação da criança”, elucida. 

Outro fator que teve grande influência na constituição da família foi que Kauan chegou pouco antes do início oficial da pandemia da Covid-19, o que os condicionou a passar um tempo juntos devido ao isolamento social. “O Kauan entrou na nossa família um dia antes do lockdown. Ficamos oito meses trancados com ele em casa, sem ir para a escola nem nada. Então todo o processo de introduzir a leitura, aprender as letras, cores e números foi feito por nós”, contam ao iG Queer. 

O casal confidencia ainda que a presença deles nas redes sociais ajudou em muitos aspectos, embora no começo estivessem temerosos com a exposição do filho. “A internet deu muita força para nós porque tínhamos muito medo e insegurança até mesmo para expor nossa vida, afinal nós nos colocarmos à mostra como dois adultos é uma coisa, mas quando se trata de uma criança não sabíamos como seria a recepção”, declara Rafael. 

“Apesar disso, continuamos recebendo um retorno extremamente positivo, porque 99% das mensagens que recebemos são de apoio. Sempre há aquelas que espalham ódio, mas majoritariamente recebemos muita força”, completa. 

De acordo com eles, expor o dia a dia promove uma experiência de troca com os seguidores que se torna bastante proveitosa. Luke comenta que o casal conseguiu mudar a cabeça de muita gente e, além dos relatos que recebem de pessoas que diziam passar pela mesma situação, descobriu a rede de apoio dos novos pais. Mas como tudo nessa vida não são flores, ele lembra as opiniões negativas que chegam pelas redes sociais. 

“Na maioria das vezes, o que chega para nós são opiniões construtivas que nos fazem querer tentar coisas novas para ver se dá certo, mas acho muito errado quem tenta impor algo dizendo: ‘Não façam isso ou aquilo’. Apesar desses casos pontuais, é muito gostoso quando vemos que nós realmente influenciamos as pessoas de modo positivo nos pequenos detalhes”. 

Um exemplo dessa imposição que algumas pessoas colocam sobre eles é a lancheira. Rafael começou a fazer vídeos montando a lancheira que Kauan leva para a escola, e algumas reações foram negativas. Eles receberam alguns ataques sobre essa questão que diziam que os pais mimam demais Kauan e que ele vai crescer errado.

"Nós demos uma resposta muito direta sobre isso. O nosso filho já passou por tanta coisa ruim; o simples fato de estar no processo de adoção já é difícil para uma criança entender porque ele se sente ignorado, fora outras coisas que já vivenciou, então todo pequeno gesto de amor que pudermos dar a ele, nós vamos dar”, declara o casal. 

Eles continuam dizendo o quanto essas singelas iniciativas são importantes para que Kauan possa compreender e absorver o amor que eles têm pelo pequeno. “Se podemos fazer uma lancheira na qual ele vai ver o quanto nós o amamos, vamos fazer para que ele possa olhar e pensar: ‘Poxa, meu pai cortou o pão em forma de dinossauro porque sabe que eu gosto’. Não importa se ele tem oito, 10 ou 20 anos, o que pudermos fazer para ele se sentir amado, acolhido e pertencente à família não hesitaremos em fazer”. 

Contudo, os comentários a respeito da lancheira não foram apenas negativos, como relembra Rafael: “Recebo muitas mensagens dizendo: ‘Eu mandava apenas um pãozinho para o meu filho, mas vendo o vídeo fiquei com vontade de mandar uma lancheira com um chocolate, cortar o pão em forma de coração e ele chegou em casa todo feliz, mostrou para os amiguinhos, etc’. Isso é muito bom”, conclui.

Agora você pode acompanhar o iG Queer também no Telegram!  Clique aqui para entrar no grupo. Siga também o  perfil geral do Portal iG.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários