A Igreja da Escócia votou para permitir que o clero possa realizar casamentos homoafetivos pela primeira vez
Julie Rose/Pixabay
A Igreja da Escócia votou para permitir que o clero possa realizar casamentos homoafetivos pela primeira vez

Os membros da Assembleia Geral em Edimburgo votaram para mudar a lei da igreja após anos de campanha. Isso significa que  casais do mesmo sexo poderão se casar na igreja em cultos conduzidos pelos resposáveis do local. Os ministros e diáconos poderão se candidatar para se tornarem celebrantes do casamento de pessoas do mesmo sexo, mas não serão forçados a participar.

O Reverendo Dr. Iain Greenshields, moderador da Assembleia Geral, disse à BBC News que: "A Igreja da Escócia é uma igreja ampla e há opiniões diversas sobre o tema do  casamento entre pessoas do mesmo sexo entre seus membros. A votação que aconteceu revela isso, com 274 votos a favor e 136 contra.

"Tem havido uma longa e profunda discussão sobre este tema por muitos anos em todos os níveis da Igreja para encontrar uma solução que respeite a diversidade e valorize as crenças de todos".

"A Igreja está empenhada em assegurar que os debates sobre este tema sejam realizados num espírito de humildade e graça, o tom e o teor das discussões sejam civis e as pessoas respeitem aqueles que têm pontos de vista opostos", completou.

Antes da votação de segunda-feira, os membros da assembleia expressaram uma série de opiniões sobre a mudança.

Entre eles estava o Reverendo Scott Rennie, que em 2009 se tornou o primeiro clérigo abertamente gay da Igreja da Escócia a ter sua nomeação aprovada, apesar dos protestos de algumas pessoas da igreja. Ele não pôde se casar com seu marido em uma cerimônia religiosa, como desejou.

Ele disse ainda à Assembleia Geral: "Espero sinceramente que a assembleia a encontre em si mesma para apoiar a libertação, mesmo aqueles que têm suas dúvidas".

Ele reconheceu aqueles dentro da Igreja que não apoiaram a questão.

Ele disse: "Quero dizer que o casamento é uma coisa maravilhosa. Meu casamento com meu marido Dave alimenta minha vida e meu ministério".

"Francamente, eu não poderia ser um ministro sem seu amor e apoio. É muito parecido com o casamento do sexo oposto em suas alegrias e suas glórias".

No ano passado, a Igreja Metodista tornou-se a maior denominação religiosa no Reino Unido para permitir casamentos entre pessoas do mesmo sexo. A prática não é permitida na Igreja da Inglaterra ou na Igreja Católica Romana, mas é bem-vinda na Igreja Episcopal Escocesa, na Igreja Reformada Unida e nos Quakers.

A Reverenda Susan Cord anunciou nas mídias sociais que já se candidatou para se tornar uma celebrante de casamentos entre pessoas do mesmo sexo.



"Bem, eu posso ter me antecipado demais, dado o debate que está previsto @churchscotland #GA2022 em Questões Jurídicas na quarta-feira, mas enviei um e-mail ao Escritório do Secretário Principal solicitando ser registrada para realizar casamentos do mesmo sexo. #LoveIsLove", dizia o tweet. 

A ministra de Killearnan & Knockbain paróquias perto de Inverness disse à BBC Escócia: "Nós fazemos uma escolha com base no que as Escrituras nos dizem. Haverá colegas que decidirão não realizar essas cerimônias e eu respeitarei isso.

"Mas para mim trata-se de escolha e se um casal, independentemente do sexo, seja homem e homem, mulher e mulher ou homem e mulher, se eles se amam e querem mostrar compromisso, eu quero ajudá-los a fazer isso".

"Isto abre a escolha. As pessoas terão adiado o casamento em sociedades civis porque são a Igreja da Escócia e queriam esperar para se casar em sua própria igreja".

Entretanto, o processo não foi fácil até sua aprovação. A Covenant Fellowship Scotland, um núcleo de reflexão de evangélicos dentro da Igreja da Escócia, emitiu uma declaração acusando a Igreja de cometer um "grave erro".

No texto estava escrito: "A Assembleia Geral da Igreja da Escócia, ao converter uma abertura que permite que ministros e diáconos oficializem casamentos entre pessoas do mesmo sexo em um ato da Igreja, agiu de uma forma que é ao mesmo tempo, antibíblica e pecaminosa.

"Todos nós temos um profundo cuidado pastoral e preocupação com aqueles que desejam entrar em casamentos do mesmo sexo, e entendemos o impulso pastoral de ministros e diáconos que desejam ajudar as pessoas nos momentos-chave da vida.

"Mas devemos, contudo, apontar para a completa ausência de qualquer evidência bíblica convincente ou persuasiva que possa permitir que ministros e diáconos da Igreja da Escócia oficializem casamentos entre pessoas do mesmo sexo. Esta decisão contradiz tudo o que a Bíblia tem a dizer sobre a natureza complementar de homens e mulheres, e do caráter e propósitos do casamento".

"Em vez de seguir os ensinamentos claros e inequívocos da palavra escrita de Deus, a Bíblia, a Igreja da Escócia continua a seguir a opinião popular".

Figuras públicas saudaram a decisão, incluindo a ex-líder conservadora escocesa Ruth Davidson, e a ex-líder trabalhista escocesa Kezia Dugdale, que estão ambas em relacionamentos com mulheres.

A Baronesa Davidson tweetou: "Encantada em ver que a Assembleia Geral da Igreja da Escócia votou para que os ministros pudessem realizar casamentos entre pessoas do mesmo sexo.

"Graças àqueles que demonstraram graça e cuidado enquanto a Igreja se aproximava cada vez mais deste ponto".

A Sra. Dugdale descreveu-o como "tremenda notícia e progresso".


Casamentos entre pessoas do mesmo sexo poderão ser realizados nos edifícios da Igreja da Escócia no final deste ano.

Agora você pode acompanhar o iG Queer também no Telegram!  Clique aqui para entrar no grupo. Siga também o perfil geral do Portal iG.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários