Este ano, Kanye West, em tom de acusação, espalhou boatos de que Pete Davidson, novo namorado de Kim Kardashian, tem Aids
Reprodução
Este ano, Kanye West, em tom de acusação, espalhou boatos de que Pete Davidson, novo namorado de Kim Kardashian, tem Aids

Para pessoas cercadas pela cisheteronormatividade, o HIV e a Aids são uma espécie de elefante na sala: sabe-se sobre eles, mas, por acreditarem que o assunto não é pertencente ali, se desinteressam. O resultado é uma visão que retrata o HIV pela visão do escárnio, do nojo e da punição, já que são assuntos que, há 40 anos, são entendidos como um vírus e uma doença exclusiva de homens gays.

O resultado em muitos casos é fazer do HIV uma piada de mau gosto ou um motivo para difamar a imagem de outra pessoa, seja ela de fato uma pessoa que vive com o vírus ou não. O ator Charlie Sheen e o cantor Leonardo são alguns dos famosos que fizeram piadas com HIV. No começo do ano, o rapper estadunidense Uncle Murda atacou Lil Nas X da mesma forma, dizendo que “Lil morreria de Aids” .

Mais recentemente, foi a vez do rapper Kanye West. Ele chamou atenção ao dizer para os seguidores do Instagram que o comediante Pete Davidson, atual namorado de Kim Kardashian, que é ex-esposa de Kanye, tem Aids. A equipe do rapper precisou se pronunciar afirmando que Kanye não tinha tido a intenção de ferir ninguém, mas o próprio rapper se justificou ao afirmar que fez a acusação porque queria “proteger sua família”.

O que todos esses atos têm em comum é a ridicularização do HIV, usada ou como insulto ou disfarçada de comédia. A parcela da população que ri desses tipos de comentários são homens cis hétero, que acreditam serem intocáveis pela infecção.

“Isso tem relação com o fato de que os heterossexuais acreditam ser imunes ou inatingíveis pelo vírus do HIV e têm a sensação de que isso nunca vai acontecer com eles. Será sempre algo do outro. Essa percepção se volta para uma narrativa do lado certo e puro e do lado errado e impuro – em que os homens gays seriam colocados”, afirma Marcio Albino, educador social e pessoa que vive com HIV.

Ignora-se o fato de que pessoas hétero também têm chances de, em algum momento da vida, receberem o diagnóstico. “Se parte desse pressuposto de ser ‘uma pessoa pura’ e, assim, se cria a ideia de que o HIV e a Aids são problemas gays. Mas os dados já estão mudando radicalmente. Em alguns países a infecção de HIV é muito maior em adolescentes heterossexuais”, diz o educador.

A “graça” no HIV

Na percepção do educador, mesmo com tratamentos que garantem a qualidade de vida de pessoas que vivem com HIV, situações como a de Kanye não chegam nem a ser uma piada de mau gosto ou ruim, mas apenas uma desumanização do outro e de associar uma sorologia com tragédia. Da mesma forma, é muito mais fácil zombar da Aids e do HIV quando parecem ser tópicos tão distantes.

“É ver alguém que perde seu valor e sua dignidade por alguma razão. Existe uma graça em rir da desumanidade do outro, como se fossem sub-humanos. É um fenômeno sociológico que se repete na história nos mais diversos grupos, que é capturado por piadas, pela cultura patriarcal, pela religião e por várias questões”, diz.

Albino descreve essa percepção como “HIV e Aids imaginária”. “Todos nós temos uma memória coletiva dos anos 1980 e 1990. É quase um arquétipo da Aids de vítimas, na maioria gays, e das mortes sem precedentes, além da indiferença do Estado e da sociedade em relação a essas mortes”, aponta.

Leia Também

(Continue a leitura logo abaixo)

Leia Também

A tentativa por parte da sociedade, da mídia e do Estado de colocar a Aids e o HIV como “peste gay” e “punição divina” não só foi bem sucedida no momento em que a epidemia estava em seu pior pico, como foi herdada das gerações atuais. Ao contrário de causar comoção e preocupação, o vírus é observado (e celebrado, até) pela ótica da punição por conta da orientação sexual de alguém.

O resultado desta visão é a consolidação do estigma das vivências LGBTQIA+ e do preconceito. “É uma visão mesquinha do divino, uma série de estereótipos criados para apontar a homossexualidade como algo ruim”, indica Albino.

Para compreender a diferença como o imaginário popular encara o HIV em detrimento de outras doenças, vírus e infecções, o educador social cita o câncer. “Numa ocasião como essa, a comunidade inteira se junta para cuidar dessa pessoa. Isso se torna um trauma, uma tragédia. Gays nunca tiveram esse privilégio de ter o sofrimento ou a compaixão das outras pessoas”.


Combatendo a desinformação

O educador social aponta que existem muitas informações sobre o HIV e a Aids de fácil acesso e em grande volume. Além disso, muitos grupos, páginas na internet, perfis nas redes sociais e coletivos fazem o trabalho de combate à desinformação e de educação em relação aos temas.

Para ele, a educação é a maior chave para conseguir se livrar desses pensamentos que menosprezam e diminuem o HIV. Além disso, o autoconhecimento pode desmantelar as estruturas de pensamentos criados socialmente e que dão vazão para a ridicularização e a desumanização.

“O comportamento e as falas das pessoas preconceituosas são sintomas e consequências, não a causa do problema. Isso é normalizado por outros motivos e narrativas dominantes que vêm de antes. É preciso identificar de onde vem isso para combater a Aids imaginária”, reforça Albino.

A autoeducação deve ir além do HIV e da Aids, mas se estender para todas as ISTs. O educador inclui ainda o sexo em si como um tema que deve ser repensado e estudado de forma séria. “Deve-se fazer uma autopercepção quando a pessoa não entende nada sobre o HIV. Existem muitas notícias maravilhosas e avanços que significariam o mundo para todas as vítimas que perdemos nos anos 1980 e 1990 pela epidemia. São avanços científicos que poderiam ter salvado muito mais vidas, não fosse a indiferença do estado e da sociedade contra essas pessoas”, finaliza.

Agora você pode acompanhar o iG Queer também no Telegram! Clique aqui para entrar no grupo .

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários