Manuela foi morta com quase 150 facadas (figura ilustrativa)
Pexels/Karolina Grabowska
Manuela foi morta com quase 150 facadas (figura ilustrativa)


O ex-bancário Cristian Losso, 43, foi condenado nesta segunda-feira (24), por um tribunal de Milão, a 18 anos de prisão pelo  assassinato da brasileira trans Manuela. O crime ocorreu em 20 de julho de 2020 na região da Lombardia. 

Manuela foi encontrada seminua em um apartamento de Milão, já sem vida. Segundo a investigação, a brasileira trabalhava no país como garota de programa e Losso era um de seus clientes. Além de desferir os quase 150 facadas, o assassino ainda deixou o gás do apartamento aberto, para, aparentemente, causar uma explosão no local, que teve apenas a cozinha danificada. 

Considerando a brutalidade do crime, Antonio Cristillo, procurador de Milão, havia pedido a pena de prisão perpétua de Losso. Para o acusador, Manuela "viveu um calvário" e sofreu com a "crueldade de um assassino contra uma pessoa indefesa, que não lutou", segundo informações da agência ANSA Brasil.

"As suas unhas, que eram bem compridas, ficaram intactas. Não há um objeto quebrado na casa. O vizinho que estava almoçando no apartamento ao lado não ouviu nada. Ele é efetivamente culpado, como admitiu parcialmente. Não há dúvidas que ele queria a morte dela", disse Cristillo.   

David Montani, advogado de Losso, disse que entrará com um pedido de recurso para eliminar os agravantes da pena, sobretuto a "crueldade" citada por Cristillo. 

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários