Número é 43,7% maior que o verificado em 2021 e o maior desde a autorização do STF em 2018.
Pexels
Número é 43,7% maior que o verificado em 2021 e o maior desde a autorização do STF em 2018.

O Brasil registrou, nos primeiros seis meses de 2022, o maior número de retificações de nome e gênero nos Cartórios de Registro Civil desde a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF), em 2018, que reconheceu o direito de pessoas transgêneros e transexuais de adequarem seus documentos de identificação às suas identificações.

No total, foram 1.124 alterações no período, 43,7% a mais que os 782 atos do ano passado e 20% maior que as 937 mudanças realizadas em 2019 - primeiro ano em que foi possível contabilizar o primeiro semestre de atos, uma vez que a decisão do STF passou a valer em junho de 2018.

Regulamentada pelo Provimento nº 73 do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), a decisão prevê a possibilidade de alteração de nome e gênero sem necessidade de cirurgia de mudança de sexo e de autorização judicial, permitindo a realização do ato diretamente em Cartórios de Registro Civil de todo o país. O procedimento pode ser finalizado, inclusive, no mesmo dia da solicitação. 

Para orientar os interessados em realizar a alteração, a Associação Nacional dos Registradores de Pessoas Naturais (Arpen-Brasil) editou uma  Cartilha Nacional sobre a Mudança de Nome e Gênero em Cartório , que apresenta o passo a passo para o procedimento e os documentos exigidos pela norma nacional do CNJ.

“Trata-se de um documento prático, com instruções detalhadas que podem auxiliar as pessoas a realizarem o procedimento direto em Cartório, sem a necessidade de ação judicial ou gastos adicionais com advogados e custas”, destaca o presidente da Arpen/BR, Gustavo Renato Fiscarelli. 

A tese definida pela STF, sob o regime de repercussão geral, diz que "o transgênero tem direito fundamental subjetivo à alteração de seu prenome e de sua classificação de gênero no registro civil, não se exigindo, para tanto, nada além da manifestação de vontade do indivíduo, o qual poderá exercer tal faculdade tanto pela via judicial como diretamente pela via administrativa".

Processo

Para realizar o processo de alteração de gênero em nome nos Cartórios de Registro Civil é necessário a apresentação de todos os documentos pessoais, comprovante de endereço e as certidões dos distribuidores cíveis, criminais estaduais e federais do local de residência dos últimos cinco anos, bem como das certidões de execução criminal estadual e federal, dos Tabelionatos de Protesto e da Justiça do Trabalho. Na sequência, o oficial de registro deve realizar uma entrevista com o solicitante. 

Eventuais apontamentos nas certidões não impedem a realização do ato, cabendo ao Cartório de Registro Civil comunicar o órgão competente sobre a mudança de nome e sexo, assim como aos demais órgãos de identificação sobre a alteração realizada no registro de nascimento.

A emissão dos demais documentos deve ser solicitada pelo interessado diretamente ao órgão competente por sua emissão. Não há necessidade de apresentação de laudos médicos e nem é preciso passar por avaliação de médico ou psicólogo.

Agora você pode acompanhar o iG Queer também no Telegram! C lique aqui para entrar no grupo . Siga também o  perfil geral do Portal iG.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários