Marcela Ohio
Reprodução/Marcela Ohio
Marcela Ohio

Marcela Ohio tem uma carreira de sucesso como modelo internacional aos 24 anos, começou a se destacar no mundo da moda já em suas primeiras participações na São Paulo Fashion Week, em 2017. Mas ela começou muito antes disso: em 2013, Marcela venceu o concurso Miss International Queen. O concurso foi disputado na Tailândia, país para o qual voltou aos 18 anos para trabalhar se apresentando em teatros e voltando ao Brasil um ano depois.

Em fevereiro de 2022, ela fez parte de um dos maiores eventos de moda do mundo, o New York Fashion Week e, em entrevista ao iG Queer, Marcela conta sobre sua trajetória, o sentimento de trazer representatividade, planos futuros para a carreira e o desejo de ser mãe.

Marcela Ohio sente que o mercado da moda mudou muito desde que surgiu na SPFW, com mais posicionamentos e cobranças pela comunidade.

“Sinto que de forma positiva as pessoas estão se posicionando mais e cobrando mais representatividade, com isso o mercado precisa mudar de qualquer jeito ou acaba ficando pra trás”, diz a modelo.

Sobre a representatividade LGBTQIA+, que até 10 anos atrás era quase nula em muitos meios, a modelo afirma que se vê como uma representatividade e que, por isso, recebe muitas mensagens de carinho e suporte de muitas meninas ao redor do mundo, o que a deixa muito feliz.

“Isso para mim é sucesso! Poder inspirar outras pessoas e receber troca de carinho não tem preço. Sou muito grata por todas mensagens que recebo”, garante.

Marcela iniciou sua carreira em concursos de Miss, vencendo o Miss Trans Brasil, em 2012, e o concurso internacional no ano seguinte. Quando seu amor pela moda falou mais alto e ela deu os primeiros passos rumo aos desfiles internacionais, a modelo precisou desvincular sua imagem de miss da que viria a construir como modelo, passando a ser chamada de Marcela Thomé.

“No começo da carreira eu precisei mudar meu nome para desvincular a minha imagem com o mundo de miss na qual já fiz parte. Infelizmente existe preconceito na moda, então tive que criar uma nova identidade para não me colocarem dentro de uma caixa”, conta a modelo.

Leia Também

“No começo foi difícil, mas consegui me consolidar como Marcela Thomé e agora acho que está na hora de voltar com o Ohio que é meu verdadeiro sobrenome. E com a certeza que isso não afetará em nada mais, pois quem me conhece sabe que isso é só um detalhe e não diminui meu talento”.

Leia Também

E parte do que prova isso foi a sua estreia nas passarelas do NYFW, uma das mais importantes semanas de moda do planeta, que aconteceu em fevereiro. Marcela diz que, ter feito parte do evento, foi uma sensação incrível: “Participar de uma das maiores e mais importante semanas de moda do mundo é sim um sonho realizado”.

Quanto ao rótulo “modelo trans”, apesar de já ter transcendido há muito, Marcela é reconhecida pelo mercado nacional e isso vem de seu próprio trabalho e não por uma condição, ser trans ou não, já não é algo que faça diferença. “Só de estar ocupando os lugares que já estive é de grande representatividade. No começo eu sentia que era algo mais só para estar ali e hoje eu sei que estou ali por ser apta e talentosa”, continua a modelo, que deixa claro que se orgulha de ser quem é e de tudo o que conquistou e vem construindo até aqui.

“Eu sou uma mulher trans com muito orgulho e ninguém nunca vai apagar minha história. Ser reconhecida como modelo é muito importante, mas isso não apaga o fato de as pessoas saberem da minha história e me admirar por ser uma mulher trans que conseguiu seu espaço e que tem talento”, afirma.

A sociedade, porém, ainda tem bastante preconceito, sendo muito cruel com mulheres trans e travestis que, em muitos casos, acabam se vendo sem opção de emprego e, por necessidade, recorrem a meios como a prostituição. O entretenimento parece ser uma forma de escape, seja na música, teatro, televisão, entre outros.

Para Marcela, o entretenimento nem sempre esteve aberto para as pessoas trans, mas que, de uma pequena forma, foi nesse meio que as pessoas trans começaram a aparecer para o público geral e que isso foi muito importante para a nossa história, em especial a da comunidade LGBT+. “Eu falo assim porque espero que isso mude muito mais! Quero ver pessoas trans cada vez mais ocupando espaços. Na moda, na televisão, ou onde for”, ela explica.

Falando em entretenimento, durante a pandemia Marcela diz ter sentido vontade de fazer muitas coisas, o que, segundo ela, a ajudou a crescer como ser humano, mas que agora tem um foco definido. “Comecei enxergar tudo diferente. Não fazer questão de pessoas que energeticamente não retribuem em nada na minha vida”, diz a modelo. “Estudar eu até tentei fazer umas aulas de teatro on-line, mas se um dia eu pensar em atuar, ou trabalhar com TV, eu precisarei estudar muito. Mas o meu foco agora é na minha carreira internacional”.

Na vida pessoal, a supermodelo conta que está solteira, mas que pretende deixar o coração aberto para a possibilidade de um novo amor. “Sempre fui focada na minha carreira, não sei o que vai rolar daqui para frente, mas decidi que este ano serei mais aberta para conhecer pessoas”, garante.

Marcela fala sobre a sua vontade de ser mãe, o que, pelo jeto, não deverá acontecer tão cedo. “No passado eu tinha mais vontade, sim. Hoje eu me sinto uma adolescente dessa nova geração que não quer ter filhos”, conclui a modelo em tom bem-humorado.

As novidades do universo LGBTQIAP+ também estão Telegram.  Entre para o grupo do iG Queer e fique por dentro!

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários