Saiba como se aventurar pelos saltos
Greta Hoffman
Saiba como se aventurar pelos saltos

Entre os artifícios de moda mais elegantes, é unânime que o salto alto ganha destaque. Símbolo de estilo e elegância, o item é mais comumente associado às mulheres e aos estereótipos de feminilidade, embora nem sempre tenha sido desse jeito. Thaís Lourenço, consultora de imagem, relembra as origens do salto alto e ressalta que ele foi originalmente projetado para homens, mas ressignificado com o passar do tempo.

“O salto um dia foi uma peça de exclusividade masculina. O Rei Luís 14, da França, tinha 1,60 de altura e gostava de usar saltos altos para parecer mais poderoso, consequência dos centímetros a mais. Somente em sua corte, os saltos começaram a fazer parte do vestuário feminino, até que, com o tempo, tornou-se ‘exclusivo’ para mulheres e um tabu para os homens”, conta.

Ela ainda pontua que a moda por si só traz um viés bastante adaptável que todos podem usar ao próprio favor, ou seja, não existe mais lugar para discursos de “coisas de mulher” e “coisas de homem” neste âmbito. “A moda é tão democrática e o estilo é tão individual, que é um desperdício não adicionarmos saltos para todas as pessoas, no formato e altura que elas quiserem, com as combinações que elas quiserem, sem que isso seja um problema. Isso ainda é um tabu, principalmente no Brasil”, lamenta. 

A procura dos homens por saltos ainda é tímida e não generalizada, pois apenas nichos específicos o aderem com certa periodicidade, como explica Fabrício Neves, que trabalha com desenvolvimento de coleções. “A demanda ao meu ver ainda é bem pequena porque ainda existe um certo preconceito com relação ao salto para homens. Atualmente, o maior contato com o salto é no nicho de dançarinos”, explica. 

Para começar a se aventurar por esse mar de possibilidades, adquirir confiança e aderir o item gradativamente é unanimidade entre os especialistas consultados. Karine Rodrigues, por exemplo, designer de moda e consultora, pontua que estar seguro de si é um dos elementos chave para conseguir embarcar na onda do salto sem grandes problemas, principalmente porque é um artifício que foi muito redirecionado para as mulheres, o que naturalmente o distancia do público masculino.

“O homem precisa estar muito seguro de si para sair de salto em uma sociedade ainda preconceituosa em relação a isso, precisamos quebrar esse tabu de que só mulheres usam salto”, diz. Fabrício Neves ainda complementa dizendo que o equilíbrio é um dos maiores obstáculos desse processo. “Uma das principais é o equilíbrio. Parece simples, mas o salto alto tem suas vantagens e desvantagens. E uma dessas desvantagens pode ser o desequilíbrio em cima do salto”, conta. 

Para conseguir driblar as dificuldades, há apenas uma recomendação direta: treino. Porém, antes disso, Thaís comenta que estar familiarizado com o próprio estilo e com o que o deixa confortável é o melhor ponto de partida para já iniciar o processo de acordo com a demanda de cada um. “Antes de mais nada, é importante conhecer seu estilo, se você fica confortável com uma vibe mais ousada, moderna e criativa, ou gosta mais de um conforto. Tudo isso impacta e muito a escolha do seu saltinho”. 

(Continue a leitura logo abaixo)

Leia Também

A consultora de imagem prossegue dizendo que a experimentação complementa esta primeira etapa, uma vez que é por meio dela que cada um vai se certificar do que funciona para si ou não. Além disso, começar com saltos mais baixos é uma dica importante. “Depois disso, experimente. Faça isso sem medo de ser feliz porque é só assim que você vai encontrar o seu par ideal. Comece pelos saltos mais baixos e mais confortáveis, pois eles têm uma adaptação mais tranquila e cansam muito menos os pés de quem não está acostumado, e aí, quando tiver mais confiança, passe para os saltos mais desafiadores. O céu é o limite”. 

Leia Também

Para a consultora, a principal dificuldade encontrada pelos homens está no equilíbrio e no hábito, já que nas primeiras vezes dores nos pés são bastante comuns. O importante é não deixar de insistir. “Os pés doem porque ficam em uma posição não natural, então é sempre legal fazer um alongamento e descansar algumas vezes ao longo do dia. Muitas horas em pé com salto é perigoso, então procure uma cadeira e sente de vez em quando, ninguém vai te julgar”. Ela aconselha a começar usando-os especialmente em casa para conseguir tirar o tempo necessário para sustentar-se neles sem complicações.

“O treino leva à perfeição e treinar em casa foi como eu aprendi. Comece por saltos mais fáceis, adquira mais confiança, e aí vai elevando a barra, quase como uma academia mesmo. Fazer desfiles em casa te ajuda a entender como se equilibrar e como distribuir o seus passos sem que você sinta tanta dor e cansaço nos pés, além de proporcionar ótimos momentos para fotos”, instrui. 

Entre os saltos mais confortáveis, Karine destaca alguns tipos específicos que, para um começo, trazem maior estabilidade – essencial para quem ainda não possui grandes experiências com o artifício. “As plataformas e os sapatos com meia-pata acabam trazendo mais segurança do que um salto muito fino, além de conforto, claro. Eles dão mais estabilidade e ajudam a trazer mais segurança do que, por exemplo, um sapato de bico e salto finos”, esclarece.

Uma possibilidade para cada ocasião

Dependendo do evento em questão, desde um compromisso do cotidiano até algum evento mais específico, os saltos podem ser excelentes aliados, principalmente devido à variedade de modelos. Fabrício Neves ressalta duas das principais vantagens do item, independentemente do evento: “O salto alto te dá postura e alonga. Essas são duas das grandes vantagens, fora que te deixam sempre mais chique”, conta. 

Se tratando do dia a dia, Karine diz que varia bastante do estilo de cada um e do que acaba sendo “coringa”, especialmente em ambientes corporativos. “Isso varia muito de estilo para estilo, ocasião para ocasião, porém existem os clássicos. O sapato scarpin é um modelo muito usado e atemporal, ou seja, bico fino e salto fino, porém hoje as flatforms vem tomando mais a frente por conta da praticidade e conforto, e também encontramos muito o salto bloco”. 

Salto alto
Armin Rimoldi

Os saltos podem potencializar qualquer composição

Já Thaís ressalta que boas composições dependem muito do quanto a pessoa está disposta a ousar e experimentar diferentes combinações que podem funcionar. “Misturar estampas e cores também é super divertido. Se você estiver com um look todo básico neutro, preto ou azul marinho por exemplo, e incluir um salto colorido (como o pink ou o laranja, dependendo de sua cartela de cor pessoal, fica a dica) vai criar automaticamente um impacto visual”, aconselha e ainda dá uma dica de ouro: “Saltos mais quadrados e menores, tendem a ser mais casuais e podem compor um look do dia a dia”. 

Thaís chama a atenção também para algumas regras de etiqueta que podem ajudar a orientar as composições para eventos mais importantes, formais ou elegantes. “Antes de tudo, uma regrinha de etiqueta, afinal de contas temos que conhecer as regras para aprender a quebrá-las: quanto mais fino o salto, mais elegante ele vai ser, e quanto mais alto (de 10 cm a 16 cm), também. Sendo assim, as ocasiões mais formais sempre harmonizam bem com sandálias de salto mais fino e dependendo do tipo de evento, se for um traje de festa e no período da noite, o brilho sempre cai bem. Mas cuidado com a quantidade de detalhes: caso isso não faça parte do seu estilo e comunicação, acaba criando uma imagem mais informal”, finaliza.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários