O senador Fabiano Contarato (PT-ES) foi alvo de ofensas nas redes sociais
Geraldo Magela/Agência Senado
O senador Fabiano Contarato (PT-ES) foi alvo de ofensas nas redes sociais

O empresário Otávio Fakhoury, presidente do diretório do PTB em São Paulo, assumiu a autoria de uma mensagem postada no Twitter, em setembro do ano passado, em que insinuava que o senador Fabiano Contarato (PT-ES) estivesse interessado em um "perfumado", devido a um erro de português em que trocou a palavra "flagrancial" por "fragrancial".

A Polícia Federal (PF) abriu um inquérito aberto em fevereiro deste ano para investigar o crime de homofobia contra o senador e Fakhoury prestou depoimento por videoconferência. Na época, ele ironizou o erro de ortografia e ressaltou a orientação de Contarato que é um dos poucos parlamentares assumidamente LGBT.

“O delegado [Contarato], homossexual assumido, talvez estivesse pensando no perfume de alguma pessoa ali daquele plenário... Quem seria o ‘perfumado’ que lhe cativou?”, postou em setembro.

O empresário assumiu a autoria da postagem em depoimento à PF e informou que não somente ele compartilha textos em suas redes sociais, mas divide esse trabalho com uma equipe. De todo modo, ele assumiu que aquela mensagem especificamente era de própria autoria. Fakhoury tentou justificar que a publicação era apenas referente à falha ortográfica e não sobre a orientação sexual do senador, de acordo com as informações da coluna de Lauro Jardim, em O Globo.

Leia Também

Em entrevista ao iG Queer em janeiro, Contarato comentou que tomou conhecimento daquela mensagem no dia anterior ao seu depoimento à CPI da Covid e comunicou ao senador Renan Calheiros (MDB-AM) sobre o que aconteceu. O colega resolveu abrir espaço para que Contarato falasse sobre o ocorrido.

“Eu acredito que o que ele disse foi um ato de covardia com a população LGBTQIA+”, afirmou. “Quando me pediram para falar sentado na cadeira da presidência, não sabia o que eu ia falar. Me chamou para que eu ficasse lá ombro a ombro com a pessoa que praticou o crime contra mim, tendo ouvido ele falar dez vezes a palavra família, sobre vida, legalidade, moralidade e em Deus foi muito difícil controlar o lado emocional com o racional. Eu acho que isso que fez com que eu falasse daquela forma que eu acho que que foi contaminada, no bom sentido, de emoção, mas sempre tentando ser racional. Foi um momento muito difícil e eu não imaginava, confesso, que fosse ter tanta repercussão”, pontuou.

Agora você pode acompanhar o iG Queer também no Telegram!  Clique aqui para entrar no grupo

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários