William conta como descobriu sua verdadeira identidade
William Cuthbert
William conta como descobriu sua verdadeira identidade

Em relato sobre descoberta e sexualidade, William Cuthberth diz ter se descoberto um homem trans aos 29 anos de idade, embora algumas questões já o incomodassem ao longo de toda a vida. “Não houve um único momento de reconhecimento de que eu era trans, mas muitos outros menores, me incomodando desde o início da minha adolescência”, iniciou.

William conta que começou a sentir que fazia sentido al ter certas “revelações”, quando se sentiu não binária e quando finalmente aceitou quem realmente era. Porém, antes de chegar ao ponto de se reconhecer, ele acreditava que todos deveriam simplesmente “saber” o tempo todo.

“Desde aquela primeira lembrança de ter raspado minhas pernas para ficar pronta para o baile de formatura, sempre pensei que era feliz sendo uma menina. Houve momentos em que sonhei ser um menino, confiante e bonito, mas mesmo nas aulas de teatro eu nunca me sentia confortável em retratar a masculinidade. Eu estava convencido de que meus sonhos eram exatamente isso. Olhando para trás, acho que via a autoconfiança aparentemente sem esforço de meus pares masculinos como algo que eu não conseguia viver à altura”, contou.

William diz que já se identificava como bissexual aos 14 anos, mas sempre buscou tentar atrair apenas os meninos. “Eu queria que os caras olhassem para mim e vissem uma mulher - mas por mais que eu tentasse, eles raramente me viam do jeito que eu queria”. Ele conta que se sentia condenado a ser uma garotinha para sempre, sem nunca ser uma mulher aos olhos das outras pessoas, da mesma forma que também não conseguia se ver como uma.

Sem nunca ter compartilhado dos mesmos problemas de disforia que muitos outros adolescentes trans, ele conta que gostava de usar maquiagem e manter o cabelo comprido, mesmo que se sentisse como uma criatura diferente, desejava que os seios fossem maiores, em vez de sumirem. “Sem 'me sentir como um menino', fui na direção oposta e me senti pouco atraente porque tinha uma figura mais infantil”, contou.

Durante a faculdade, William afirma que gostava de ouvir dos amigos que ele andava como uma garota deveria. Porém, ao repensar, percebe que aquela era uma afirmação de que “deveria”, e não como “gostaria”, ou “se sentia”.

Apesar de não se sentir bem como uma pessoa feminina, ele não estava certo de quem realmente era, embora já sentisse que era mais como uma pessoa masculina
William Cuthbert
Apesar de não se sentir bem como uma pessoa feminina, ele não estava certo de quem realmente era, embora já sentisse que era mais como uma pessoa masculina

“Agora que eu prendo meu peito e tenho um corpo mais duro e mais peludo, percebo que eu estava apenas realizando uma parte que nunca se encaixa realmente. Desde então, tenho pensamentos muito mais gentis sobre meu corpo”, continua.

Mesmo que ainda se sinta culpado por não perceber sua identidade de gênero antes, sabe que nada parece tão claro para quem está passando pela puberdade. “Assim como todos vivenciam a adolescência de maneira diferente, minha disforia menos física passou despercebida, enquanto para outras pessoas trans é a sua luta definidora”.

Leia Também

William ainda afirma que, por mais que se sinta acalentado ao ler palavras vindas de outros homens trans, a maioria das histórias não refletem a dele. “De histórias de homens trans - incluindo Elliot Page - percebendo que eles eram homens com apenas quatro ou cinco anos, a pessoas que estavam entrando na puberdade e percebendo que não se sentiam confortáveis ​​com o que era esperado deles, a narrativa comum na mídia tradicional é que as pessoas trans sabem desde a infância”, concluiu.

Reconhecendo, claro, que por serem histórias diferentes, não significa que estejam erradas e que pessoas trans controlarem as próprias histórias é maravilhoso. “Mas eu sei o quanto dói esconder também. Ainda faço isso quando estranhos me interpretam mal, embora sinta que estou me traindo todas as vezes”, assumiu.

Como tempo em que precisou se manter afastado de outras pessoas, devido ao isolamento social causado pela pandemia da Covid-19, William contou que pôde se permitir explorar o próprio gênero. “Essa introspecção forçada desencadeou um surto de depressão, espirais de ansiedade e olhar para dentro para encontrar a fonte. Eu sonhava em ser mais masculino, então, com o mundo virado de cabeça para baixo, por que não poderia tornar isso minha realidade?”, ele se perguntava.

William, finalmente se sentindo perfeitamente confortável com a própria identidade, afirma estar animado para começar o tratamento com testosterona e está economizando dinheiro para a remoção dos seios.

“Eu sei que a estrada para a autodescoberta não é reta. Mas quando encontrei o caminho certo, foi como se o sol finalmente nascesse. A experimentação sexual e a vinculação do meu marido foram o mais próximo de um momento 'eureka' que tive fora da minha própria cabeça - foi quando as palavras 'Eu sou um homem' escaparam dos meus lábios pela primeira vez”, disse.

Ao repensar sobre o que passou e como chegou ao momento de se auto descobrir, William afirma que, ainda que tenha chegado mais tarde do que o esperado, gostaria que tivesse alguém para dizer que não existe um “jeito certo” para se descobrir trans e que, não importa qual seja o destino desejado, cada um deve seguir o próprio caminho.

“Todos aqueles anos, dei pequenos passos assustados em direção a este momento, como meu eu mais feliz e mais autêntico. Portanto, isto sou eu dizendo a você - se você se sente de alguma forma 'menos que', e minhas palavras fazem você pensar que pode ser trans, então talvez você seja. Mas não se preocupe. Apenas seja você”, finaliza.

*Com conteúdo do jornal britânico Metro UK.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários