Saiba ao que se atentar para praticar o sexo anal de maneira segura
iStock
Saiba ao que se atentar para praticar o sexo anal de maneira segura




O sexo anal é uma prática muito popular, principalmente entre os homens gays cisgênero. Nesse sentido, é fundamental estar ciente de todos os métodos de prevenção não apenas de ISTs (infecções sexualmente transmissíveis), como também à saúde do ânus e do reto como um todo para manter-se saudável por completo e em todas as instâncias.

O proctologista Euripedes Barsanulfo destaca que o sexo anal sempre deve ser realizado com a devida proteção e lubirificação, não apenas para o maior conforto durante a prática, mas também para evitar a transmissão de doenças. Ele também ressalta a importância de fazer consultas regulares a um profissional proctologista para manter-se bem informado sobre o próprio corpo. 


“O sexo deve ser feito sempre com proteção. Escolher a lubrificação correta também é fundamental, já que lubrificantes à base de petróleo podem romper o preservativo, então opte por produtos à base de pasta d’água. Consultar um bom proctologista e manter visitas regulares ao médico, bem como manter uma rotina de exames é essencial para a boa saúde anal e geral. É importante lembrar que existem doenças que merecem mais atenção, como o HPV, que pode ser transmitido mesmo com o uso do preservativo devido ao contato pele a pele. A maioria de nós é portador assintomático do vírus, mas quando estamos com a imunidade em dia ele fica incubado e não apresenta sintomas ou problemas ao portador”, explica. 

Leia Também

(Continue a leitura logo abaixo)

Leia Também

O médico diz ainda que não existe um limite do quanto é saudável alguém praticar sexo anal de modo a trazer consequências posteriormente. “Mantendo os devidos cuidados, com a região, evitando traumas, uso de preservativos e acompanhamento médico para a boa saúde, não existem limites para o sexo anal”, esclarece. 

Porém, ao ser questionado sobre  o fisting, uma prática que consiste em inserir a mão até a altura do punho no próprio ânus ou no ânus do parceiro, Euripedes Barsanulfo chama a atenção para os riscos deste método tendo em vista principalmente a resistência do músculo do ânus e o que pode a vir a acontecer posteriormente caso a prática seja frequente e descuidada. 

“Vale lembrar que o músculo anal tem uma certa complacência e o risco dessa prática pode resultar em lesões irreversíveis na musculatura e na inervação, provocando graus variáveis de incontinência anal. Ao parecer médico, não é algo recomendado”, elucida. Ainda de acordo com ele, caso os cuidados não sejam tomados, como utilizar proteção e lubrificação suficientes, por exemplo, as consequências variam de infecções a rupturas. “Os riscos são enormes, desde HPV, até IST’s e traumas irreversíveis com lesão muscular ou nervosa e até o câncer anal”. 

Entre os principais termos ligados à prática sexual anal, a chuca é sempre muito comentada . A palavra é uma gíria popular para substituir a palavra “enema”, que é uma técnica de limpeza anal criada, de início, para auxiliar pessoas que sofrem com algum problema no intestino. Com o passar do tempo, porém, esse método passou a ser recorrido para realizar a higiene anterior ao sexo anal para evitar que o pênis do parceiro em questão fique sujo com restos fecais. 

Contudo, Euripedes Barsanulfo diz que o reto é vazio e sem fezes, a não ser no momento da evacuação e que a prática não é exatamente necessária, porém, caso seja realmente preciso realizá-la, pode ser um sinal para alguma disfunção nos músculos de evacuação.

“Teoricamente o reto é vazio e sem fezes, exceto no momento da evacuação, portanto a prática não é necessária, apesar de muito popular. Agora, se houver a necessidade da limpeza periódica, é possível que você possa estar sofrendo de algum distúrbio dos músculos da evacuação ou constipação intestinal. Distúrbios dessa musculatura envolvem contração paradoxal do pubo-retal (quando o músculo que abraça o reto não relaxa corretamente na evacuação) e a hipertonia do esfíncter externo (que é o não relaxamento desse músculo na hora da evacuação e da relação sexual). Por isso que sempre digo, se você praticar o sexo anal ativamente, procure um bom proctologista para chamar de seu. Todas as questões podem ser identificadas e avaliadas pelo profissional. Informação é poder. Pegue as rédeas da sua saúde em suas mãos”, conclui.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários