Felipe Heiderich e Bruno de Simone
Divulgação/XicãoJones
Felipe Heiderich e Bruno de Simone


Após se assumir bissexual pela primeira vez e expor ao mundo seu relacionamento com o youtuber Bruno de Simone, o ex-pastor Felipe Heiderich fez um desabafo nas redes sociais sobre os ataques que vem recebendo desde que decidiu falar abertamente sobre sua sexualidade. Felipe afirma que não esperava tamanha onda de ódio por causa de sua orientação sexual.

“Estou namorando um rapaz e pra mim está tudo bem. Se você não concorda, tudo bem. Eu posso não concordar com muitas outras coisas, só respeite. Se você acha que estou em pecado, ore por mim, se você não consegue acreditar em mais nada do que eu falo da bíblia, tudo bem também. Eu sempre vou continuar falando. Se você entrar nas minhas redes, você vai ver muito ódio. Eu não imaginei que seria assim, eu não fazia ideia do que o público LGBT sofria. Sofrer isso na pele é algo que não desejo a ninguém”, diz Heiderich.

Ele disse que apesar que poder manter sua bissexualidade em sigilo, preferiu ser transparente com seu público, mesmo sabendo que poderia vir a sofrer represálias. “Gasta muita energia ter que viver duas pessoas, e eu não consigo ser assim. Muitas pessoas disseram que a outra parte (ex-mulher dele, a pastora Bianca Toledo) sempre teve razão (sobre as acusações de estupro). Não, nunca esteve com a razão. Eu sempre fui uma pessoa extremamente dedicada e fiel. Mas se você quiser acreditar, tudo bem. Agora, só não confunda bissexualidade com pedofilia, porque isso vai falar quem você é. Então, a partir do momento que você voltar a me chamar de pedófilo sendo que eu já fui absolvido em todas as instâncias, aí haverá um acionamento judicial, não só meu, mas de toda a comunidade LGBT que entende que, segundo as pesquisas, a maioria dos pedófilos são héteros".

E continuou: “Quero dizer que eu tô bem, que está sendo muito difícil, muito confuso e complicado. Mas eu sei que quem me ama vai entender. ‘Ah, a igreja vai te mandar pro inferno’. É, se você ler os comentários, a maioria não diz que estão orando por mim, que Deus me abençoe ou que segue me amando, apesar de descordar. A maioria diz que sou um, monstro, uma decepção, um falso e que eu vou pro inferno. Mas tudo bem. Foi o que fizeram comigo há quatro anos e eu era inocente. Então não faz muita diferença comigo agora. Quem está comigo vai continuar comigo. Não tô aqui pra ofender e nem rebater a fé de ninguém. Tô aqui, porque como sempre, eu dei importância ao próximo. Não é que a opiniao dos outros mova a minha vida, mas eu me importo sim, com cada um de vocês. Por isso sempre procurei dar explicações”.

Heiderich também falou sobre seu novo livro que será lançado em breve. Esse livro ‘Encontro Marcado’ que está saindo não é uma afronta à igreja, nem o acobertamento de pecados. É uma chamada ao amor, de como Jesus reagia às pessoas ditas como monstros, falsas e condenadas ao inferno. Não é pra quem tá bem e quer continuar do jeito que está. É para aqueles que foram deixados de lado. Quero dizer que Jesus continua amando, mesmo que esse amor do outro não seja tão plausível. Foi um desafio, porque eu poderia nunca ter contado, mas eu não sou assim. Sou transparente. E se um dia algo mudar, vou vir aqui também e vou dizer. Continuo amando Jesus e sei que ele me ama. Tenho pessoas muito queridas do meu lado, que continuam me dando sustento, mesmo que grande parte continue virando as costas, porque infelizmente essa é a característica do ser humano nesse tempo”.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários