Laurel Hubbard foi uma das principais atletas trans a competir nas Olimpíadas de Tóquio
Reprodução
Laurel Hubbard foi uma das principais atletas trans a competir nas Olimpíadas de Tóquio


Um estudo realizado por cinco entidades governamentais da Grã-Bretanha diz que mulheres trans podem tem vantagem em competições esportivas em relação às mulheres cis. Pesquisa é divulgada após presença de LGBTs bater recorde nos Jogos Olímpicos de Tóquio , em julho deste ano. 

De acordo com levantamento, isso foi constatado devido às diferenças fisiológicas e a retenção de testosterona em relação as outras competidoras. Os recuros utilizados para bloquear a testosterona, usados na terapia hormonal, são considerados insificientes para retê-la totalmente no corpo.

Os conselhos de esporte envolvidos afirmam que mulheres cis estariam em desvantagem e, assim a competição não seria justa. Também não seria possível garantir segurança em algumas modalidades.

"Evidências a longo prazo indicam que homens possuem inúmeras vantagens físicas em esportes se comparados às mulheres. Isso é reconhecido em lei. A pesquisa atual indica que a supressão de testosterona não descarta a vantagem física sobre mulheres e não pode garantir uma competição justa e/ou segura", diz o levantamento.

Leia Também

No entanto, o levantamento desencoraja que países tentem banir a participação de atletas transgênero de competições. Como alternativa para inclusão, os órgãos indicam a criação de categorias "universais" ou "abertas". Isso garantiria a proteção de mulheres cis em competição e permitir a plena participação de mulheres trans.

"Os esportes precisam ser um lugar em que as pessoas possam ser elas mesmas, onde todos podem agir e podem ser tratados com bondade, dignidade e respeito", afirma o estudo.

Este levantamento foi realizado por órgão governamentais do Reino Unido: UK Sport, Sport England (Inglaterra), Sport Wales (País de Gales), Sport Scotland (Escócia) e Sport Northern Ireland (Irlanda do Norte).

O assunto tem sido bastante debatido no mundo No início do ano, estados dos Estados Unidos avançaram com leis que visam banir atletas transgênero de competições em que se inscreveram com base em identidade de gênero.
No Brasil, o vereador Carlos Bolsonaro (Republicanos-Rio) quer proibir atletas trans de competições esportivas no Rio de Janeiro .

A publicação britânica foi baseada em entrevistas com 300 pessoas e 175 organizações esportivas, levando cerca de 18 meses para ser concluída. Seu intuito era buscar informações para instruir áreas de copetição e administração. Suas descobertas podem influenciar apenas em território nacional e pode ter critérios aplicados de forma diferente a depender da modalidade esportiva.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários